Façamos uma pequena pausa estratégica no ensino dos 3 métodos para aprender acordes, mas ainda falando sobre o assunto.

 

Até o momento, vimos muito sobre escalas e acordes. Antes de avançarmos é preciso consolidar o que vimos até agora. Te convido para uma analogia que vai deixar o ensino sobre escalas e acordes ainda mais fácil. Podemos dizer que escalas são como “mães dos acordes”, pois são elas que fornecem as notas que compõem os acordes. E, como há várias escalas, há vários acordes. Porém, os acordes oriundos da mesma escala formam uma família, pois têm o mesmo DNA, que são as notas em comum. Em uma família, temos também os “irmãos”. É justamente esse o assunto de nossa aula.

 

Acordes “irmãos” tem uma harmonia entre eles. Isto é, eles são do mesmo Campo Harmônico. Mas o que é campo harmônico e qual a sua importância?

 

O conhecimento dos Campos Harmônicos é muito relevante, pois são eles que possibilitam criar músicas, sejam elas de baixa complexidade ou de alta complexidade, tocadas por uma banda de rock de apenas 3 instrumentos ou por uma orquestra de 50 instrumentos. O Campo Harmônico de uma escala ajuda a saber quais acordes devem ser utilizados em uma música e a compreender as possibilidades de combinação desses acordes. Com isso, você pode inventar suas próprias músicas e criar solos interessantes, além de desenvolver uma facilidade absurda para tirar músicas de ouvido.

 

Mas o que é um Campo Harmônico?

 

Campo Harmônico é um conjunto de 7 acordes que estão em sintonia uns com os outros. São justamente os 7 acordes mencionados na 1ª lição, que são formados a partir das notas de uma mesma escala musical. No nosso exemplo da escala de Dó Maior, temos esses 7 acordes:

 

1º grau – Dó maior

2º grau – Ré menor

3º grau – Mi menor

4º grau – Fá maior

5º grau – Sol maior

6º grau – Lá menor

7º grau – Si menor com 5ª diminuta

 

O legal é que esse padrão acima se repete para qualquer escala maior. Assim, sabemos que, não importa qual seja a nota fundamental do Campo Harmônico, o acorde do 1º grau sempre será maior, o 2º grau sempre será menor, e assim em diante, de acordo com o exemplo acima. Com isso, fica fácil descobrir quais são os acordes de cada Campo Harmônico. No caso das outras escalas (Menor, Menor Melódica e Menor Harmônica), os padrões são ligeiramente diferentes, mas seguem a mesma linha de pensamento.

 

Cada acorde no Campo Harmônico possui uma Função Harmônica

 

Podemos estabelecer um papel para cada um dos 7 acordes num Campo Harmônico, a partir da sensação auditiva que cada um deles proporciona ao ser tocado numa música.  Chamamos esse papel de função harmônica. Existem três funções harmônicas:

TÔNICA
 – Acordes com esta função dão a sensação de repouso e estabilidade. Ele é ótimo para ser um acorde final numa sequência de acordes, pois é como um ponto de descanso.

DOMINANTE – Acordes com esta função dão sensações de tensão e atração, criando a expectativa de que algo acontecerá na música nos próximos compassos. Esse acorde é bom para fazer uma preparação antes de fazer o movimento de retorno à Tônica.

SUBDOMINANTE
 – Acordes com esta função dão uma sensação de abertura, de que, a partir dali, a música tem várias possibilidades.

 

Cada grau da escala exerce uma dessas 3 funções, sendo uns mais marcantes que outros:

1º grau
 – TÔNICA. Exerce essa função de forma muito marcante
2º grau – Subdominante. Exerce essa função de forma pouco marcante
3º grau – Tônica ou Subdominante, dependendo do contexto.
4º grau – SUBDOMINANTE. Exerce sua função de forma muito marcante
5º grau – DOMINANTE. Exerce essa função de forma muito marcante
6º grau – Tônica. Exerce essa função de forma pouco marcante
7º grau – Dominante. Exerce essa função de forma pouco marcante

 

Espero que agora tudo tenha ficado mais claro para você. Te espero na próxima aula.

 

Musica sem limites - 02

About The Author

Informações de perfil.

Related Posts