Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Na aula passada você viu um pouco sobre improvisação. Naquela aula, meu objetivo era desmistificar para você o improviso, mostrando que qualquer um pode realizar essa tarefa, se seguir algumas orientações e treinar. Hoje eu vou apresentar para você alguns pontos importantes para introduzir o assunto do improviso. A partir de agora, vamos entender o mundo do improviso e botar a mão na massa!

 

Todo mundo sabe que música é uma arte. Mas existem duas formas diferentes de manifestar essa arte: com reprodução decorada e com improvisação. Música é uma arte, isso todo mundo sabe. Mas existem duas formas diferentes de manifestar essa arte: com reprodução decorada ou com improvisação. A primeira delas é a mais óbvia, onde você aprende uma música e a reproduz realizando duas tarefas:

 

  • Tarefa cerebral: decorar os trechos necessários
  • Tarefa motora: reproduzir o trecho decorado

 

Já no mundo da improvisação existe o fator surpresa, a imprevisibilidade e a criatividade instantânea. Para realizar isso nos deparamos com:

 

  • Tarefa cerebral: ativar o sentido improvisador
  • Tarefa motora: reproduzir com reflexo os sentidos do cérebro

 

Parece meio abstrato, não? É por isso que a improvisação cria uma identidade única entre o som e o músico. Mas aprender isso é difícil?

 

A mentira do caminho curto

Tipos de Pianos

Muitas pessoas tentam improvisar sem sucesso e pedem ajuda para um músico mais experiente ou procuram na internet por cursos de improvisação. O engraçado é que as respostas costumam ser sempre as mesmas:

 

Tem que saber as escalas…”; “Vai tocando de ouvido…”; “Sente a música e cria um solo…”.

 

Então você se pergunta: como?

 

É comum encontrarmos vídeos dizendo: “vamos ensinar como usar a escalas maiores no improviso“, onde o professor mostra o desenho das escalas e logo depois faz alguns solos com a intenção de que você aprenda vendo ele improvisar. Ele é quem faz tudo e você só assiste e torce para ter alguma inspiração. Repare que as pessoas que “ensinam” a improvisar geralmente passam a impressão de que é fácil e que o caminho é curto, então você se sente um incapaz por não conseguir “pegar o jeito”. Já vi muitos alunos passarem por essa fase, e ela é perfeitamente normal, eu também passei por isso. Nessa história existem duas mentiras: que o caminho é curto/limitado e que para você é impossível conseguir.

 

Treinar é a chave do sucesso

 

Para adquirir velocidade é preciso treino. Para se ter precisão é preciso treino. Para desenvolver dinâmica é preciso treino. E para se improvisar? O que precisa? Não existe fórmula mágica, a resposta é simples: treino. O problema está em como fazer esse treino e como ele pode ter resultados da mesma forma que você vê resultados quando repete um exercício e obtém velocidade. Afinal existe exercício para improvisação? Ou o processo é místico?

 

A resposta é sim, existe exercício para se aprender a improvisar. O ideal é ter um método passo-a-passo que exercite seu cérebro e sua capacidade motora ao mesmo tempo. Porque existe uma maneira de fazer você enxergar o teclado como um campo de possibilidades, não como uma região militar de cumprimento de regras. Quando você estuda teoria, às vezes fica difícil enxergar a prática, aplicar e se sentir confortável sem um passo-a-passo que sirva de ponte entre sua vontade, seu conhecimento e o objetivo final que é improvisar. É para preencher essa lacuna entre teoria e prática nas próximas aulas vou facilitar seu processo de aprendizado com alguns exercícios que ajudem nessa tarefa.

 

Velocidade e Feeling são tudo, ou existe algo mais?

 aprender um instrumento

Você já deve saber daquele clichê básico: “velocidade não é tudo; é preciso feeling!”, mas basta ter velocidade e feeling (saber executar trechos rápidos com técnica e perfeição, além de colocar sentimento com qualidade tocando poucas notas em momentos oportunos) para ser um guitarrista perfeito? De onde vem a criatividade?

 

A teoria musical existe para potencializar essas qualidades que acabamos de citar. Um escritor profissional escreve textos interessantes porque tem conhecimento sobre diversos assuntos e sabe utilizar corretamente as palavras. Mesclando sua técnica de escrita com o conhecimento do tema, surgem as ideias de frases e parágrafos que formam os textos. Na música é a mesma coisa. Se você apenas tiver técnica (saber reproduzir e colocar as notas no momento certo), não vai ter conteúdo. Esse conteúdo é conhecer oportunidades harmônicas para aplicar determinadas notas e evitar outras. É ter segurança para criar automaticamente um solo em qualquer música. A aula de hoje serviu para introduzir um pouco mais sobre o assunto do improviso. Agora que você acredita e está confiante que pode improvisar, nas próximas aulas vou passar alguns exercícios sobre o assunto para você já ir treinando.

 

Até a próxima. Qualquer dúvida ou sugestão, deixe seu comentário!

 

Musica sem limites - 02

 

Postagens Relacionadas